Dicas de saúde

Prevenção e tratamento da depressão são temas do Dia Mundial da Saúde em 2017

Prevenção e tratamento da depressão são temas do Dia Mundial da Saúde em 2017

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão. A doença é considerada a maior motivadora de mortes por suicídio em escala global, vitimando 800 mil indivíduos todos os anos.

Por isso, os distúrbios depressivos foram escolhidos pela OMS como tema do Dia Mundial da Saúde de 2017, que é celebrado no dia 7 de abril. A campanha tem o intuito de conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do tratamento dessa grave enfermidade, que atinge 5,8% da população brasileira.

Sintomas da depressão

A depressão é caracterizada pela tristeza, perda de interesse e prazer, sentimento de culpa, baixa autoestima, problemas de sono e de apetite, cansaço excessivo e dificuldade concentração. É uma doença que pode ser duradoura ou voltar de tempos em tempos. Ela compromete severamente a capacidade de o indivíduo realizar as atividades do trabalho e da escola, ou até mesmo enfrentar as tarefas cotidianas. Em casos mais extremos, pode levar ao suicídio.

A depressão é uma doença com sintomas definidos e diagnosticáveis. Ela não deve ser confundida com sentimentos de tristeza, estresse e medo, que qualquer pessoa sente, eventualmente, durante a vida.

Episódios traumáticos, como a morte de uma pessoa amada, demissões do trabalho, problemas financeiros, fim de relacionamentos, e o abuso de drogas podem levar a quadros depressivos.

Grupos atingidos pela depressão

A depressão pode afetar pessoas de todas as idades e gêneros, incluindo crianças e adolescentes com menos de 15 anos da idade, mas sua incidência varia de acordo com a faixa etária e o gênero. Mulheres com idade entre 55 e 74 anos são o grupo com maior probabilidade de desenvolver a doença, de acordo com dados da OMS.

A incidência da depressão entre a população total também varia de acordo com países e regiões. Apenas 2,6% dos homens no Sudeste Asiático sofrem com a doença – o menor índice registrado no mundo. No outro extremo, 5,9% das mulheres africanas apresentam sinais de depressão.

O Brasil é o segundo país do continente com maior porcentagem de depressivos, atrás apenas dos Estados Unidos. Mais de 11,5 milhões de brasileiros enfrentam a doença.

Os índices globais de depressão podem ser maiores que os registrados oficialmente, já que a doença é considerada subdiagnosticada. O estigma sobre o tema faz com que muitos pacientes não procurem o tratamento adequado.

Caso note algum dos sintomas da depressão, não hesite em procurar um médico. Os tratamentos e medicamentos modernos auxiliam no combate da doença, oferecendo melhora sensível na qualidade de vida dos pacientes.