Dicas de saúde

Dia Nacional de Combate à Obesidade

Dia Nacional de Combate à Obesidade

Nos últimos dez anos, o número de brasileiros que estão acima do peso ideal aumentou 60%, passando de 11,8%, em 2006, para 18,9%, em 2016. Os dados são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde.

O crescimento da obesidade também pode ter colaborado com o aumento de casos de doenças como diabetes e hipertensão. O número de pessoas diagnosticadas com diabetes passou de 5,5%, em 2006, para 8,9%, em 2016. O de hipertensão, no mesmo período, foi de 22,5% para 25,7%.

Entenda os perigos da obesidade

A obesidade é considerada uma doença crônica que tende a piorar com o passar dos anos. Ela também é um fator de risco para outras doenças, como asma, doenças de coração e alguns tipos de câncer. Fatores genéticos, fisiológicos, psicológicos e comportamentais podem levar ao aumento de peso, mas a alimentação inadequada é o principal deles.

Segundo a pesquisa Vigitel, os brasileiros estão consumindo menos ingredientes considerados básicos e tradicionais. O consumo regular de feijão, por exemplo, diminuiu de 67,5%, em 2012, para 61,3%, em 2016. E apenas um entre cada três adultos consome frutas e hortaliças pelo menos cinco dias da semana.

Para aqueles mais propensos a engordar na cintura, a atenção deve ser redobrada, pois a gordura localizada na região abdominal é uma das mais perigosas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que uma medida da circunferência abdominal igual ou superior a 94 cm em homens e a 80 cm em mulheres aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

Diagnóstico da obesidade

O diagnóstico da obesidade em adultos é feito pelo cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), que é medido dividindo-se o peso pela altura elevada ao quadrado. Consideram-se obesas as pessoas com IMC superior a 30. Já as que têm IMC entre 25 e 29,9 são portadoras de sobrepeso.

Como evitar o excesso de peso

A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso) cita quatro passos para evitar a obesidade:

• Alimente-se melhor. Reduza o consumo de alimentos com muita gordura, açúcar e sal. Sempre que possível, faça as refeições com a família, em casa, e inclua frutas, verduras e legumes. Procure fazer três refeições ao dia e tente seguir uma rotina, com horários para cada uma delas. Isso ajuda a manter o peso em um nível saudável.

• Movimente-se. Comece reduzindo o tempo que você permanece sentado. Evite escadas rolantes ou elevadores, suba a pé. Desça do ônibus um ponto antes; deixe o carro um pouco mais longe e vá caminhando. Pedale, mesmo que seja em curtas distâncias. Em uma semana com 168 horas, se você dedicar duas horas e meia para praticar atividades físicas já terá benefícios. Com o tempo, você pode ir ampliando seu tempo de atividades – mas lembre-se de consultar seu médico antes de iniciar qualquer atividade.

• Beba água. Não espere ter sede para beber água. Quando você sente sede, quer dizer que o corpo já está se desidratando.

• Durma o suficiente. Crie um ritual, deixe o ambiente silencioso e escuro. Estudos mostram que dormir bem pode prevenir o sobrepeso e a obesidade. Quem dorme pouco e tem uma qualidade de sono ruim tem mais chances de ter aumento de peso.

Leia também:

Dez dicas para uma alimentação balanceada e rica em nutrientes